O que faz falta … é malhar na malta!

O que faz falta … é malhar na malta! – Luís Herberto

Apropriando-me do título da canção que José Afonso escreveu e gravou em 1974, reavivando igualmente uma justa memória à sua obra, resolvi extrapolar alguns dos conteúdos das palavras de “O Que Faz Falta. Talvez demasiado direccionado para apresentações consideradas excessivas e que se afastam do lugar-comum contemplativo da Pintura. São representações muito acomodadas à ilustração e ao mural, paradoxalmente subvertidas na escolha cromática. A intenção de utilizar uma linguagem declaradamente gráfica surge na analogia com o discurso directo do Desenho, que neste caso, se apresenta como uma escrita do imediato e que revela visualmente o seu autor. Este projecto está visualmente dividido em dois momentos: por um lado, a representação violenta e consequente acção/reacção dos seus actores, em registos intensos e socialmente politizados na sua exegese social, e por outro, o registo suave da cegueira instalada em todos nós.
Mesmo com claras diferenças nos contextos sociais e neste intervalo temporal, nota-se que nos movemos na cegueira. Cegos ao que está claramente à nossa volta, cegos ao que acontece um pouco mais ao lado e do outro lado do globo. Estamos cegos aos atropelos incessantes a direitos básicos que ambicionamos para a condição humana, completamente anestesiados na materialidade e na comunicação visual mediática que preenche a cultura de massas. – Luís Herberto

Informação
  • Categoria: Exposição / Pintura
  • Data: 7 de Junho a 30 de Setembro
  • Hora: inauguração 18h00
  • Local: Galeria de Arte TMG, Guarda
  • Classificação: M/6
  • Preço: Entrada Livre